sexta-feira, 1 de outubro de 2010

Entrevista: Fernando Catatau (Cidadão Instigado)

(http://penduradoparasecar.blogspot.com/ por: Law / terça-feira, 22 de abril de 2008)

Entrevista:

PPS: Primeiramente uma pergunta que deverá decidir se essa entrevista poderá ser postada no Pendurado Para Secar ou não: O que você acha do compartilhamento "ilegal" de músicas, filmes, livros...? Você acha que o "mercado cultural" tem que rever suas idéias ou é o compartilhamento "ilegal" que tem que ter um fim?


Catatau: Eu acho que o mundo caminha pra que todas as informações sejam compartilhadas é um caminho sem volta a custa do barateamento nós temos acesso a várias coisas, quem imaginaria que você escrevendo um nome e dando um clic num mouse você conseguiria ver tantas coisas como se vê hoje no You Tube? Lógico que no fim das contas tudo vai se perdendo, a qualidade não importa mais, e isso é algoaterrorizante, pois as pessoas vão perdendo o referencial do que é bom ou ruim, mas a informação ta ali. Na hora que se quer no final das contas é o que temos pra viver hoje.


PPS: Como é que você vê a atual cena (musical) independente do Ceará?


Catatau: Tem bastantes bandas novas, mas não é muito diferentedo que era nos anos 80 ou 90. O diferencial de hoje éque as trocas de informações ajudam, mas você chega emfortaleza e é a mesma dificuldade pra tocar, nesses últimos tempos alguns jornalistas meperguntaram sobre a cena cearense...Eu conheço algumas bandas, umas que gosto e outras quenão, mas o que eu percebo é que não existe ummovimento ou algo parecidocada um ta no seu mundo se dedicando e correndo atráse eu vejo isso como um ponto muito positivonão que eu seja contra movimentosmas as pessoas se fortalecendo separadamente podem setransformar em algo concreto.


PPS: Recentemente o Cidadão abriu um show do Tom Zé. O que você acha do Tom Zé no quesito musical, o experimentalismo dele, você considera ele um revolucionário? e por que você acha que ele é muito mais reconhecido no exterior? Lembrando que aqui no Brasil precisou um músico gringo famoso (que eu não me lembro quem é) dizer que o trabalho dele era muito bom para elecomeçar a ser valorizado.


Catatau: Eu fico até sem saber o que falar sobre o Tom Zé, é difícil falar sobre alguém que é muito bom e verdadeiro no que faz, acho ele muito foda. No Brasil é difícil as pessoas terem acesso a qualquer tipo de informação que seja um pouco mais “inteligente”, os responsáveis pelo país querem que o povo seja burro e apático, imagino que este seja um dos maiores fatores de todo tipo de arte não ser para o povo: é o medo das pessoas se rebelarem contra esse sistema fulero que a gente vive.

PPS: Qual o caminho para a música brasileira sair do marasmo que se encontra? Se é que você acha que ela se encontra num marasmo.

Catatau: Acho que tem muita gente fazendo coisas legais, muitas mais fazendo coisas horríveisacho que e necessário ser verdadeiro no que se faz, fazer musica sem pensar em mercadoo mercado já ta na nossa frente.

PPS: Essa próxima vai inteira da forma como foi elaborada, por um membro da comunidade da revista O Dilúvio, pois foi algo que aconteceu "com ele" então preferi nem mexer no texto, por favor comente:

"É interessante citar aquela *declaração do Lúcio Maia* que postei aqui e saber o que ele acha do download dE seus cd´s . Lembro que no início da comu do Cidadão Instigado ele detonou o fato da gente estar liberando os cd´s em mp3, cheguei até a compará-lo ao Lula que queria expulsar o jornalista americano que disse sobre o seu gosto pelo álcool. Lembro que os tópicos foram apagados e depois da reação da galera, ele acabou deixando ficar.Pergunta: Ele, tal qual o molusco, prefere ser essa metamorfose ambulante ?P.S.: Adoro o som do Catatau."

*Não achei a declaração "original" dele, mas ele reclamava do fato do disco da Nação Zumbi ter vazado na internet, e dizia que ai ninguém comprava e com isso a gravadora acabava e a banda acabava. Era mais ou menos isso. Agora se me permite, deixe-me fazer um parênteses com o fato de que o disco do Maquinado (projeto do próprio Lúcio Maia) foi para na internet pouco após ser lançado e só num link postado no blog Som Barato
, onde também foi postado o disco da Nação Zumbi, teve um grande número de downloads e ele (Lúcio Maia) em momento nenhum reclamou do disco estar na internet.

Catatau: Cabra, me desculpe, mas eu não entendi muito a pergunta eu ou o Lucio que detonamos o fato "deles" estarem botando nossas mp3 pra baixar?eu sempre fui a favor de liberar as musicas em mp3, então não deve ter sido eu, lembro que no começo da comunidade do Cidadão teve algumas pessoas que começaram a brigar dentro de umtópico e eu apaguei mas apaguei pelo simples fato de não concordar com discussões a toa eu sou a favor de download livre, se eu faço isso, porque vou criticar outros que fazem? lógico que se alguém comprar o meu cd e o dinheiro for pro meu bolso eu prefiro pois vivo disso e preciso pagar minhas contas, mas vai da escolha de cada um.
Quanto ao Lucio, tanto ele como o resto da galera devem saber o que é melhor pra Nação Zumbi, eu fui um dos que baixou o disco novo na internet e fico feliz toda vez que consigo descobrir alguma coisa nova e legal, pra mim só me incomoda a qualidade, tanto que nem escuto muito som em mp3 pois me soa agressivo, mas isso sou eu.


PPS: O que esta por vir de trabalho novo por ai? disco novo do Cidadão? o que você pode adiantar?

Catatau: Já estamos com o disco todo pronto em termos de composições e arranjos, devemos começar a gravar em junho se tudo der certo, estamos tocando algumas novas nos shows acho que o melhor é dar uma assistida no show pra ter uma noção.

PPS: Como ótimo guitarrista, tem alguém novo com quem você tocou que não esperava e tenha gostado? tem alguém com quem você não tenha tocado ainda, mas gostaria de tocar?

Catatau: Obrigado pelo ótimo guitarrista. Acho que eu sou uma pessoa satisfeita em relação aos trabalhos que faço, só toco com quem eu gosto e as pessoas que eu gosto me chamam pra tocar. Gostaria de fazer algo com o Scandurra que acabei de conhecer, com o Manu Chao que até já tiramos um som, mas muito informal, na real, as pessoas que admiro eu prefiro ver fazendo do que tocar junto.

PPS: O que você acha da "panela" que se formou em São Paulo (Instituto, Mamelo Sound System, Nação Zumbi, Céu, etc). Como eles compartilham os seus sons?

Catatau: O que posso falar? Nessa panela eu também como, são todos meus amigos, que eu trampo junto e que sãopessoas bem talentosas e até acredito que não exista uma panela proposital, mas amigos que se identificam são assim sempre querem estar um perto do outro, o massa é que o povo ta pelo mundo e não se fecha.

PPS: O que você anda ouvindo ultimamente (novo/velho, nacional/internacional) e o que você indica?

Catatau: Escuto muita coisa:
Raul Seixas, Richie Ravens, Santana, The Cure, Roberto Carlos, Alcione, Black Sabath, Frumpy, Rod Stewart, Ali Farka Toure, Bee Gees, John Frusciante, Legião Urbana...Eu indicaria tudo isso ai e um pouco mais.

PPS: Em algumas das músicas do Cidadão Instigado eu noto como tema o preconceito (O Pobre Dos Dentes De Ouro / O Pinto De Peitos / O Verdadeiro Conceito De Um Preconceito), qual a sua opinião sobre o preconceito? Como deve ser combatido, penalizado?

Catatau: Minha opinião tá nas letras, é exatamente o que sinto, qualquer tipo de preconceito é ao meu ver repulsivo, e ninguém esta livre de sentir ele até contra si mesmo, a policia tem que ser interna.

PPS: Você acha que o Brasil é um país desprovido de preconceitos, como muitos dizem ser, ou concorda comigo que pelo contrario, existe muito preconceito, e no dia-a-dia fora da mídia ele não faz questão de se esconder?

Catatau: O preconceito é um sujeito cego, você as vezes sente sem saber, todo mundo de alguma maneira sente ele em si. O desapego total seria a única maneira dele não existir, mas acho impossível, pois somos seres humanos cheios de defeitos e certezas.

PPS: Por último um pergunta "idiota":
Por que CATATAU?


CATATAU: Foi no colégio quando eu tinha 14 anos, era o menor da sala e sempre tive essa voz fanha, enfim...
valeu e desculpa a demora
abs!

(foto por: Alisson Louback)

Nenhum comentário:

Postar um comentário